A minha Lista de blogues

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Recursos Educacionais Abertos

Após uma análise dos REA propostos por todos os colegas, e depois de uma enorme dificuldade em saber o modo como os utilizar (que me parecia tão simples numa primeira fase) decidi-me pelos seguintes:

video



Razões para a minha escolha, e adequação a uma das turmas que tenho (CEF):

a) Plataforma com uma qualidade notável estando disponível gratuitamente sem qualquer limitação;

b) Baseada em experiências pessoais, tanto de adultos, como de jovens, que poderão funcionar como modelos;

c) Saídas profissionais diferentes, para diferentes tipos de alunos, com os mesmos problemas de sempre;

d) Análise contrastiva entre o que foi o sistema de ensino, com o actual sistema de ensino, baseado nas novas tecnologias;

e) Percepção que o mundo está a mudar rapidamente, mas que infelizmente o sistema de ensino não está a acompanhar;

f) Utilização de um jogo que me parece ter uma utilidade pedagógica interessante.


Esta plataforma seria usada em momentos diferentes:


Primeiro momento:

a) Numa primeira fase usaria este recurso como motivação, com um exercício de listening comprehension, ouvindo fundamentalmente os alunos aqui representados que falam das suas experiências/dificuldades/barreiras, mas também sucessos;

b) Ouviríamos as experiências descritas pelos adultos que, ao contrário do que ouvimos muita vez dizer: “Assim não vais longe; se não estudares não vais ser ninguém na vida, etc.”, Sir Richard Branson é aqui um exemplo, entre outros que aparecem, que se pode ter muito sucesso na vida, tendo apenas de canalizar as energias para termos sucesso.

c) Ouviríamos os alunos novamente num exercício de note taking, para fixar a informação que achassem mais importante.

d) Baseando-se nas notas tiradas, os alunos teriam de escrever algo sobre eles.


e) Depois de corrigido o texto escrito por eles, lido várias vezes, seriam criados vídeo-clips com os alunos a representar essa informação, sendo depois colocados numa página criada para o efeito: http://cefesob2009.no.sapo.pt/

Segundo momento: porque os jovens do CEF são na maior parte das vezes alunos complicados, sem saberem bem o que fazer na vida, o jogo que aqui é apresentado pode servir a nível de alguma orientação e motivação para permitir escolhas/definições que poderão ser úteis no futuro.



Segunda escolha: http://www.prof2000.pt/users/ammpc/ccdi/ingles_tti2/


O programa Hot Potatoes permite a construção de exercícios com conteúdos seleccionados pelo professor.
Hot Potatoes é um conjunto de cinco ferramentas, desenvolvido especificamente para fins educativos pela equipe da University of Victoria Humanities Computing and Media Centre. As cinco ferramentas possibilitam a elaboração de cinco tipos básicos de exercícios interactivos utilizando páginas da Web. O programa permite a inclusão de links, textos de leitura, imagens e arquivos de media no material produzido. As actividades criadas com o programa Hot Potatoes podem ser adequadas a qualquer tópico em estudo e servem para introduzir novos conhecimentos ou para reforçar e recordar conteúdos já trabalhados.

Os tipos de exercícios do programa Hot Potatoes:
A ferramenta JCLOZE cria exercícios de preenchimento de espaços (gap-fill exercises). Não há número limitado de respostas para cada espaço e o aluno pode pedir uma pista e ver uma letra da resposta correcta. Uma pista específica pode também ser incluída para cada espaço. O número de palavras certas é automaticamente dado no final da actividade. Este tipo de exercício é muito útil para rever o vocabulário e para o reconhecimento de palavras.
JQUIZ cria testes baseados em perguntas. As perguntas podem ser de quatro tipos diferentes, incluindo perguntas de múltipla escolha, respostas curtas e questões híbridas. Essa ferramenta é útil para revisões, para a apresentação de conteúdos novos e para uma auto-avaliação do próprio progresso.
JCROSS apresenta actividades por meio de palavras cruzadas que podem ser completadas online. Uma ajuda pode ser utilizada quando o aluno sentir necessidade de uma pista. A cada solicitação de ajuda é dada uma letra da palavra. Essa ferramenta pode ser bem utilizada na revisão de vocabulário e de definições.
JMIX cria exercícios com palavras desordenadas e o aluno tem de as colocar na ordem certa para formar uma frase. É possível especificar várias respostas correctas baseadas nas palavras e na pontuação. Uma ajuda está também disponível aqui, se for necessário.
Os exercícios realizados com JMATCH combinam duas colunas com exercícios de associação: uma lista de itens fixos aparece à esquerda (figuras ou texto) e itens desordenados à direita. JMATCH pode ser usado para combinar vocabulário com figuras ou com traduções, ou para ordenar frases para formar uma sequência ou uma conversação. Quanta mais imaginação melhor…

O freeware Hot Potatoes é livre para ser usado, desde que o utilizem com finalidade educacional ou em instituições educacionais que não visem lucro. O registo (grátis) é necessário para aceder ao programa e usar todos os seus modelos.

O programa educacional Hot Potatoes fornece o suporte para a elaboração de exercícios e ao professor cabe pensar no conteúdo que pretende abordar, os objectivos que pretende alcançar e as opções de exercícios disponíveis. A eficácia do material didáctico produzido por meio do programa depende da habilidade do professor de elaborar actividades adequadas ao conteúdo estudado e ao nível de conhecimento de seus alunos. Se tal facto coloca sobre o professor a responsabilidade a respeito do grau de eficácia dos exercícios, por outro lado proporciona a liberdade de produzir actividades relevantes e de acordo com as necessidades, dificuldades e conhecimento prévio de seus alunos.

Os módulos criados com o programa podem ficar armazenados no computador, em CD ou disponibilizados na Internet.
É interessante colocar os módulos dos exercícios na Internet, permitindo assim que o aluno os aceda em qualquer altura e lugar.

Plano de aula:
O material pedagógico foi produzido para o ensino de língua Inglesa, aula de 12º Ano.

Além dos exercícios interactivos feitos no computador, serão usados textos e exercícios em suporte de papel e/ou whiteboard ou quadro interactivo.
Com estes exercícios do Hot Potatoes pretende-se trabalhar o vocabulário e a gramática. Os exercícios foram disponibilizados numa página Web e podem ser acedidos na escola ou pelo aluno em sua própria casa.


http://www.prof2000.pt/users/ammpc/ccdi/ingles_tti2/
A sequência será a seguinte, em função dos conteúdos que têm de ser dados:

Uma aula com Gap-fill exercise, com phrasal verbs:
http://www.prof2000.pt/users/ammpc/tti2/TTI2_phrasalverbs_gaps.htm
E ainda um outro Matching exercise, com phrasal verbs:
http://www.prof2000.pt/users/ammpc/tti2/matching_phrasal_verbs.htm

Outra aula com exercícios relativos a vocabulário:
Dois Matching exercises com vocabulário sobre gíria:
http://www.prof2000.pt/users/ammpc/TTI2/TTI2_matching_giria.htm
e
http://www.prof2000.pt/users/ammpc/TTI2/TTI2_matching_giria1.htm
E um Multiple choice exercise ainda com vocabulário sobre gíria.
http://www.prof2000.pt/users/ammpc/TTI2/TTI2_multiplechoice_giria.htm

Será configurada a caixa do correio do professor e, assim que os alunos terminarem o exercício, para além de terem a informação imediata do resultado, o mesmo será enviado automaticamente para o professor.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Baudrillard versus Virilio

A substituição do suporte simbólico pelo suporte técnico, operada pela comunicação de massas, subentende a afirmação de um princípio de reprodutibilidade radical, dissuasiva e subliminar, de forma que a obra literária se converte em objecto de consumo. Através da lógica do modelo simulado, a obra literária não escapa ao que Baudrillard denomina “semiurgia da arte contemporânea” (BAUDRILLARD, 1981a : 109-21), ou seja, o advento do valor-signo como mais-valia que se acrescenta à obra como garantia de autenticidade: a assinatura. Quando a sofisticação das técnicas de reprodução adultera na totalidade o acontecimento original, entendido por falsificação, a assinatura assume o valor mítico de “legenda” (BAUDRILLARD, 1981a : 112). Assim, deixamos de ter a representação de um mundo, para passrmos a ter um mundo recriado, em que o autor está, na maior parte dos casos, ausente. “Actualmente, só o artista se pode copiar a si próprio. Em certo sentido, ele está condenado a fazê-lo e a assumir, se for lógico, o carácter serial da criação” (BAUDRILLARD, 1981a : 115).
Neste sentido, as imagens dos meios audiovisuais ilustram as considerações de Baudrillard acerca da simulação como “segundo baptismo das coisas”, como produção de realidade, como fim da cena da representação para que se instaure um estado de semiurgia generalizada. Se “simular é fingir ter aquilo que não se tem” (BAUDRILLARD, 1981b : 12), resta-nos questionar o papel das máquinas de visão na elisão do real, pois que, por meio da decomposição e da fragmentação deste, as imagens técnicas empenham-se na geração de um real sem origem nem realidade.
Já para Virilio, o metafilme interessa na medida em que denuncia como a produção desenfreada de imagens através da fotografia e do cinema acaba por colocar em crise os modos de aquisição e restituição do mundo exterior.
Ao lado da ordem sensível e bem visível já se instala o caos de uma ordem insensível, novas imagens espectrais e delirantes que, depois de terem sido roubadas, retocadas e invocadas, podem ser capturadas, vendidas, transformando-se em objecto atraente de um produtivo tráfico de aparências, além de poderem ser projectadas no espaço e no tempo. (VIRILIO, 1993a : 54)
Baudrillard e Virilio recorrem ao filme – O estudante de Praga (Der Student von Prag, 1913), de Paul Wegener – para reflectirem acerca da questão da imagem. Em ambos os casos, considera-se a obra como premonitória, seja da alienação social concreta da imagem, da fatalidade da técnica ou da crise da representação (BAUDRILLARD : 1981c : 234-8), seja do advento de uma estética do desaparecimento, do domínio da actualidade pela virtualidade (com a consequente subversão da noção de realidade) ou do “produtivo tráfico de aparências” (VIRILIO, 1993a : 54). De acordo com Baudrillard, ao vender para o feiticeiro Scapinelli sua imagem no espelho, o estudante Baldwin submete-se a um processo de alienação que tem como princípio o transtorno da reciprocidade entre o mundo e o indivíduo.
A imagem especular representa aqui simbolicamente o sentido dos nossos actos, que formam em redor de nós um mundo à nossa imagem. A transparência da nossa relação ao mundo exprime-se bastante bem pela relação inalterável do indivíduo ao respectivo reflexo no espelho: a fidelidade de semelhante reflexo testifica, de certa maneira, a reciprocidade real entre o mundo e nós. Simbolicamente portanto, no caso de a imagem nos vir a faltar, é sinal de que o mundo se torna opaco e os nossos actos nos fogem – encontrando-nos então nós sem perspectiva sobre nós mesmos. Sem esta caução, deixa de haver identidade possível: torno-me outro em relação a mim próprio, estou alienado. (BAUDRILLARD, 1981c : 234-5).
Se o espaço é aquilo que impede que tudo esteja no mesmo lugar, este confinamento brusco faz com que tudo, absolutamente tudo retorne a este “lugar”, a esta localização sem localização... o esgotamento do relevo natural e das distâncias de tempo achata toda localização e posição. Assim como os acontecimentos retransmitidos ao vivo, os locais tornam-se intercambiáveis à vontade.
A instantaneidade da ubiquidade resulta na utopia de uma interface única. Depois das distâncias de espaço e de tempo, a distância-velocidade suprime a noção de dimensão física. (VIRILIO, 1993b : 13).
A desrealização das formas de representação, o excesso de visibilidade e de transparência, a inelutável conversão da imaginação em imagens, a crise das dimensões e das referências participam de uma constelação de fenómenos histórico-ontológicos que questionam e destinam a literatura no inferno das imagens numéricas. Uma vez mais o número assombra a palavra com as perspectivas de um efeito de real que suplanta a realidade, da mesma forma que privilegia a informação mediatizada em detrimento da informação dos sentidos. Por que a literatura onde a velocidade ilumina até mesmo o não-visto do universo? Onde a literatura quando o fenómeno de aceleração abole nosso conhecimento das distâncias e das referências? Quando a literatura na imediatez do tempo real das transmissões directas à distância?
(Adaptado de Globalização e literatura, organização de Luiza Lobo, Rio de Janeiro : Relume Dumará, 1999)

quinta-feira, 15 de abril de 2010

New technologies and their use in teaching and learning

Em Fevereiro de 2004 o Australian Flexible Learning Framework (AFLC) começou um forum Online, com o tema "Getting Started in Flexible Learning", tendo sido moderado por Judy Fawcett, sendo dirigido fundamentalmente a jovens com muita flexibilidade em aprendizagens relacionadas com as novas tecnologias e empenhados num processo de descoberta guiada. Deste fórum nasceu o artigo seguinte:

“New technologies and their use in teaching and learning”.

Mobile technologies:
Podcasting: http://www.webopedia.com/TERM/p/podcasting.html
This is a relatively new term for the online publishing of files in a way that allows for subscription-like syndication and distribution as they become available. Podcasts are generally audio in MP3 format but other formats and other types of files, such as video can also be podcasted. A podcast is often described as ‘an audio magazine subscription’, in that a subscriber receives programs without having to get them, and can listen to them at leisure.
Sample podcasts: Topic - The Adoption of Technology
http://www.ncqtalk.com/
RSS: http://www.webopedia.com/TERM/R/RSS.html
Short for Rich Site Summary, an XML format for syndicating Web content. A Web site that wants to allow other sites to publish some of its content creates an RSS document and registers the document with an RSS publisher. A user that can read RSS-distributed content can use the content on a different site. Syndicated content includes such data as news feeds, events listings, news stories, headlines, project updates, excerpts from discussion forums etc.
Blogs (text, audio, photo):
A frequent, chronological publication of personal thoughts, like an online diary.
Blogger.com: http://www.blogger.com/start
Audio: http://instantaudio.com
Photos: http://www.buzznet.com/
Example of blog with audio and photos: http://mikecogh.blogspot.com/
Digital Storytelling:
The art of creating a powerful dialogue by narrating a story, weaving images, music and voice using the power of digital media design. The sharing of these stories with others can connect people in special ways.
Photostory Tool: http://www.microsoft.com/windowsxp/using/digitalphotography/photostory/default.mspx
Example: http://users.chariot.net.au/%7Emichaelc/els/mystory_sample.wmv
Movie maker tool example:
http://users.chariot.net.au/%7Emichaelc/els/movie_maker_sample.wmv
Community spaces:
The new EdNA Groups: http://www.groups.edna.edu.au/
EdNA Groups is a free service providing collaborative workspaces to support teaching, learning and research within the Australian education and training community.
Learning Times: http://www.learningtimes.org/
LearningTimes.org is an open community for education and training professionals. Members have free access to a wide range of opportunities to interact and network with peers from across the globe. Member activities include live webcasts and interviews with industry leaders, online debates and discussions, live coverage of industry conferences, and international working groups.
My Connected Community: http://mc2.vicnet.net.au/index.html
My connected community (mc²) is a virtual meeting place where communities interact online.
Learning Communities Catalyst: http://www.lcc.edu.au/
The Learning Communities Catalyst has been established to serve as a clearinghouse of information, research, case studies and practical tools to assist communities, councils, government, businesses, policy-makers and other stakeholders in research, advocate for and develop learning communities.
Voice Applications:
Skype: http://skype.com/
'Skype' is free and simple software that will let you make free phone calls to anywhere in the world. Skype uses P2P (peer-to-peer) technology to connect you to other users. You can talk with up to 5 contacts at a time, exchange documents via email, surf the Web and chat simultaneously.
Voice Mail:
• Handy bits: http://www.handybits.com/voicemail.htm• HorizonWimba: http://aitwimba.netspot.com.au/wimba/vmail?action=display&rid=0-1084973623261
• iVocalize: http://www.ivocalize.com/support.htm
An example – Online Oral RPL Assessment: http://www.ballarat.edu.au/vfed/newpractices/NP%20model/content/
Search:
Google Desktop: http://desktop.google.com/
This site enables you to find your email, files, media, web history and chats instantly; view web pages you've seen, even when you're not online and search directly from your desktop using the deskbar.
EdNA Advance Search:
http://www.edna.edu.au/edna/search?SearchMode=Advancemode
This provides two key functions:
• A directory about education and training in Australia.
• A database of web-based resources useful for teaching and learning.

Virtual Classrooms:
Live web conferencing tools.
Elluminate: http://elluminate.com/
Compued: http://www.compued.com.au/conference/

Delivery Tools:
Powerpoint Conversation Tools
Impatica (samples): http://impatica.com/
Presentation Pro (example): http://presentationpro.com/
Other ppt conversion tools (Macromedia:’powerpoint on steroids’) example:
http://ajax.acue.adelaide.edu.au/~allan/AFL_Presentation/#
Moodle: http://moodle.org/
Assessment:
Online Surveys:
• Zoomerang http://zoomerang.com/login/index.zgi
• Survey Monkey http://www.surveymonkey.com/
• Hot Potatoes http://web.uvic.ca/hrd/halfbaked/
Examples:
Matching:
http://users.chariot.net.au/%7Emichaelc/halfbaked/APY_match.htm
Quiz:
http://users.chariot.net.au/%7Emichaelc/halfbaked/quiz1.htm
Crossword:
http://users.chariot.net.au/%7Emichaelc/halfbaked/cross_eg.htm
Quandary:
http://www.halfbakedsoftware.com/quandary.php
Quandary is an application for creating Web-based Action Mazes. An Action Maze is a kind of interactive case-study; the user is presented with a situation, and a number of choices as to a course of action to deal with it. On choosing one of the options, the resulting situation is then presented, again with a set of options.
Study Mate:
http://www.respondus.com/
Study Mate is an authoring tool that lets you create 10 Flash-based activities and games using three simple templates.
Open Source
Mind mapping
Cmaps Example: http://cmap.ihmc.us/
Listings: Free and Open Source Applications:
http://cielens.designplanet.com.au/mod/resource/view.php?id=89

Other Tools:
Amplify example: http://amplify.com/
Amplify empowers you to clip and collect content from different sites you visit into your own Web collages. These collages can be saved as web-based documents, shared with anyone as a single link and set to automatically refresh in real time.
eDayz Cool Tools Site: http://www.cooltools.net.au/index.htm
This site has been developed to encourage new and experienced users of flexible learning to explore a range of e-learning tools, resources and ideas. The tools, resources and ideas showcased have been used in a wide-range of VET practice including ACE/Community, VET in Schools, industry training, and private and public registered training organisations (RTOs).
Example: YOLA Your Online Learning Assistant: http://www.flexiblelearning.net.au/projects/resources/yola_bc/default.htm
Toolboxes:
http://flexiblelearning.net.au/toolbox/
A Toolbox is a collection of resources, suggested learning strategies and supporting material to support online delivery of vocational education and training. Series 6 has just been released.
Whiteboards:
Imagination Cubed: http://www.imaginationcubed.com/LaunchPage
Group Board: http://www.groupboard.com/
Groupboard is a set of multi-user java applets including whiteboard, chat, message board and games which you can place on your web page by simply copying a few lines of html code. You can also run Groupboard on your own web server. It can be used for distance learning, training, or simply for fun!

Cibercultura

Cibercultura – Pierre Levy
Pierre Levy, filósofo da informação que se ocupou em estudar as interacções entre a Internet e a sociedade, criou a expressão Cibercultura para sintetizar o mundo digital centralizando múltiplos usos. Desta forma, a palavra ou texto deixava de ser apenas um agrupamento de letras e passava a adoptar elementos como desenhos, vídeos, gráficos, músicas, permitindo melhorar a comunicação.
No livro Cibercultura, Pierre levy apresenta três princípios fundamentais para o programa da Cibercultura: a interactividade, as comunidades virtuais e a inteligência colectiva.
Levy afirma que para a cibercultura a interacção é sempre preferível ao isolamento, estando esta interactividade num contínuo crescendo sem fronteiras.
O segundo princípio prolonga o primeiro já que o desenvolvimento das comunidades virtuais se apoia na interactividade. Uma comunidade virtual baseia-se em interesses comuns, num processo de cooperação ou de troca, distanciado de espaços geográficos.
O terceiro princípio, da inteligência colectiva, seria a sua perspectiva espiritual, sendo a sua última finalidade.
Uma das principais mudanças operada na nossa sociedade, foi a de perceber que poderá haver mundos paralelos que permitem ao utilizador ter novas experiências, como por exemplo na realidade virtual, que permite interactividade, sendo a distância totalmente ultrapassada com plataformas digitais, como por exemplo o Second Life.
Conclusão: cibercultura será resultado da evolução do conceito de cultura e uma nova abordagem com recurso às ferramentas digitais.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

A educação (e) a distância.

Estamos a viver hoje um momento único na nossa história, com o que foi apelidado de impacto Tecnológico pelos nossos governantes. Este momento é assim transformado no que se poderia chamar de Século Digital, onde somos confrontados com a constante busca de informação e construção do conhecimento. Em termos ideológicos, o país está-se a apropriar do mundo digital e a fazer da educação a distância um modo privilegiado de atender um maior número de pessoas, de uma forma menos dispendiosa. Junta-se assim o agradável ao útil. Por outro lado, as pessoas têm cada vez mais acesso ao sistema ensino-aprendizagem, não tanto pela real oferta crescente, mas também pela necessidade premente de actualização que o espaço Europeu exige. The Sound of Silence deixa de fazer sentido, analisado à luz desta interactividade.
Contudo, há uma dúvida que me surge com cada vez mais frequência: tenho feito um enorme esforço para poder acompanhar o tal dito impacto tecnológico, reconhecendo ainda por parte dos colegas/pessoas em geral o mesmo esforço em acompanhar esta evolução. E, devo dizer com bastante satisfação, que temos os nossos momentos de glória, quando sentimos que o esforço dispendido não é tão grande como a recompensa obtida pelo uso das tecnologias. Porém começo a debater-me com um problema maior: o avanço que sinto relativamente às novas tecnologias começa a ser difícil de acompanhar, uma vez que exige um dispêndio constante de tempo, que poderá/deverá ser utilizado em actividades que permitam resultados práticos em termos do processo ensino-aprendizagem. Mais, com todo este impacto nota-se que a cultura da sala de aula continua demasiado enraizada para permitir grandes alterações, mesmo a nível do corpo discente, para não falar nos encarregados de educação. Encontramo-nos por isso no fio da navalha, sem saber para que lado pender…
Haverá provavelmente novas tecnologias que ainda nem imaginamos e que exigirão novas mudanças. Na verdade, o que chamamos de Aprendizagem ao Longo da Vida é um processo continuado, obrigatório, mas porventura forçado por essa evolução, baseada num processo extremamente rápido. No decurso dessas vivências somo os actores do exercício permanente de diálogo do presente com o passado, fazendo história que terá repercussões no desconhecido futuro.